25 de Setembro de 2020
ASSESSORIA JURÍDICA EMPRESARIAL
DIREITO BANCÁRIO EMPRESARIAL
SOLUÇÕES PARA ENDIVIDAMENTO BANCÁRIO
SUA EMPRESA PRECISA CONHECER A NOSSA
OAB/MG 6090

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,57 5,57
EURO 6,50 6,50

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Notícias

Boletim Informativo

Cadastre seu Email para receber Atualizações jurídicas

Previsão do tempo

Hoje - Governador Vala...

Máx
31ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Sábado - Governador V...

Máx
32ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - Governador V...

Máx
36ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Govern...

Máx
38ºC
Min
21ºC
Predomínio de

DECISÃO: Tribunal nega a cabo do Exército promoção a 3º Sargento do Quadro Especial

Um cabo do Exército Brasileiro (EB) que possuía cerca de 12 anos e dez meses na mesma graduação teve negado pela 1ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) o seu pedido para ser promovido a 3º Sargento do Quadro Especial. A decisão do Colegiado manteve a sentença, do Juízo Federal da 3ª Vara da Seção Judiciária do Acre, porque o militar, inativo desde 24/02/2006, não preencheu todos os requisitos previstos para a ascensão. A relatora, juíza federal convocada Olívia Mérlin Silva, ao analisar o recurso, destacou que, para a promoção no Quadro Especial de Terceiros Sargentos do Exército Brasileiro, o Decreto nº 86.289/81 exigia, dentre outros requisitos, a comprovação do tempo mínimo de 15 anos de efetivo serviço na graduação de Cabo. A magistrada explicou posteriormente que a Lei nº 10.951/04, que reorganizou o Quadro Especial de Terceiros Sargentos do Exército, manteve as exigências do Decreto nº 86.289/81 quanto aos requisitos para a promoção ao quadro especial, mas, também, determinou que as promoções ocorressem de acordo com o quantitativo de vagas de Terceiros Sargentos do Quadro Especial. Segundo a juíza federal, no processo em análise, o autor, à época em que ficou incapaz para o serviço ativo, passando à reserva, não tinha 15 anos ou mais de efetivo serviço na graduação de Cabo. “Ademais, ainda que se verificasse presente o requisito temporal, como já o dissemos, seria indispensável a demonstração da presença dos demais requisitos à promoção, assim como a existência de vagas, como se ressaltou na sentença, pois, na hipótese, também não há qualquer alegação, muito menos comprovação, de que o militar foi preterido indevidamente para que fizesse jus à promoção nos termos do art. 60, § 1º do Estatuto dos Militares”, concluiu a relatora. A decisão do Colegiado foi unânime. Processo nº: 2008.30.00.004072-5/AC Data da decisão: 10/06/2020 Data da publicação: 29/06/2020 LC Assessoria de Comunicação Social Tribunal Regional Federal da 1ª Região  
04/08/2020 (00:00)

Endereço

SEDE

Avenida Itália  241  1º Andar
-  Gra Duquesa
 -  Governador Valadares / MG
-  CEP: 35057-380
+55 (33) 3340 0340
Visitas no site:  1977992
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.