25 de Setembro de 2020
ASSESSORIA JURÍDICA EMPRESARIAL
DIREITO BANCÁRIO EMPRESARIAL
SOLUÇÕES PARA ENDIVIDAMENTO BANCÁRIO
SUA EMPRESA PRECISA CONHECER A NOSSA
OAB/MG 6090

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,57 5,57
EURO 6,50 6,50

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Notícias

Boletim Informativo

Cadastre seu Email para receber Atualizações jurídicas

Previsão do tempo

Hoje - Governador Vala...

Máx
31ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Sábado - Governador V...

Máx
32ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - Governador V...

Máx
36ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Govern...

Máx
38ºC
Min
21ºC
Predomínio de

1ª Turma rejeita HC de acusado de matar advogado por dívida de criptomoeda

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou o Habeas Corpus (HC) 180363, impetrado em favor de D.A.P., acusado por homicídio qualificado em razão de dívida da criptomoeda Bitcoin. Na sessão desta terça-feira (4), a maioria dos ministros aplicou a jurisprudência da Turma, baseada na Súmula 691 do STF, pois o HC foi impetrado contra indeferimento monocrático de liminar no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Dívida de criptomoeda D.A.P. foi denunciado pela prática de homicídio qualificado por motivo torpe. Segundo a acusação, ele teria encomendado, por R$ 500 mil, a morte da morte da vítima, surpreendida numa emboscada e atingida por disparos de arma de fogo em regiões vitais. Segundo o Ministério Público, o motivo do crime foi uma dívida de R$ 2,5 milhões do acusado com a vítima, um advogado, em razão da venda de bitcoins. O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) negou HC com base em fortes indícios de participação do acusado no crime, diante do cruzamento de ligações telefônicas e prova testemunhal. Pedido da defesa também foi negado por decisão de ministro do STJ, questionada no HC 180363 impetrado no STF. Ao pedir que D. A. P. respondesse ao processo em liberdade, a defesa alegava que ele atuou ativamente para elucidar os fatos, é primário, tem bons antecedentes criminais, trabalho lícito e família. Apontava ainda a ausência de necessidade da prisão, pois a instrução criminal havia corrido sem intercorrências. Uma suposta testemunha protegida foi dispensada pelo Ministério Público, o que, segundo os advogados, demonstra que não tinha importância. Na sessão de hoje, o relator, ministro Marco Aurélio, confirmou o entendimento adotado em liminar concedida em fevereiro e votou pela manutenção da liberdade de D.A.P. A seu ver, a prisão preventiva é necessária se existir ato concreto que sinalize que o acusado pode atrapalhar a instrução criminal se estiver solto. No entanto, a maioria dos ministros votou pela rejeição do HC, acompanhando o voto pergente do ministro Alexandre de Moraes, pela aplicação do entendimento majoritário da Turma pelo não conhecimento de habeas corpus apresentado contra decisão monocrática do STJ, como no caso. Ele lembrou que a jurisprudência do STF, consolidada na Súmula 691, só não é aplicada nas hipóteses de anormalidade ou ilegalidade. Ele foi seguido pelos ministros Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Rosa Weber. Com a decisão, a liminar concedida pelo relator foi cassada.
04/08/2020 (00:00)

Endereço

SEDE

Avenida Itália  241  1º Andar
-  Gra Duquesa
 -  Governador Valadares / MG
-  CEP: 35057-380
+55 (33) 3340 0340
Visitas no site:  1978001
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.