25 de Setembro de 2020
ASSESSORIA JURÍDICA EMPRESARIAL
DIREITO BANCÁRIO EMPRESARIAL
SOLUÇÕES PARA ENDIVIDAMENTO BANCÁRIO
SUA EMPRESA PRECISA CONHECER A NOSSA
OAB/MG 6090

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,57 5,57
EURO 6,50 6,50

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Notícias

Boletim Informativo

Cadastre seu Email para receber Atualizações jurídicas

Previsão do tempo

Hoje - Governador Vala...

Máx
31ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Sábado - Governador V...

Máx
32ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - Governador V...

Máx
36ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Govern...

Máx
38ºC
Min
21ºC
Predomínio de

05/08/2020 - 14h21Filha receberá indenização por sofrer abandono do paiDano pela negligência paterna foi comprovado por laudo psicológico

  O pai alegou que a mãe da menina dificultou o contato entre eles; para juiz, o abandono afetivo ficou caracterizado Afeto não é coisa, mas sentimento, e é preciso que um pai saiba que não basta pagar pensão alimentícia para dar como quitado o seu dever, que vai além disso. O descumprimento desse dever causa dano, devendo ser reparado por meio de indenização. Essa foi a conclusão do juiz da 1ª Vara Cível de Barbacena, Lelio Erlon Alves Tolentino, ao reconhecer o abandono afetivo de uma filha e condenar o pai a pagar R$ 50 mil de indenização por danos morais. A jovem, hoje com 19 anos, foi reconhecida oficialmente após exame de DNA feito por determinação judicial em 2005. No entanto, ele nunca participou da criação da menina, agindo como se ela nunca tivesse existido. Na Justiça, ela relatou que, por causa do abandono afetivo, vive triste e angustiada e entrou em depressão, fazendo uso contínuo remédios. Laudo técnico social comprovou que a ausência da figura paterna causou danos durante toda a infância e adolescência dela. Argumentos do pai O pai apresentou contestação, alegando que a mãe da menina sempre dificultou o contato entre eles. Disse ainda que nunca desamparou economicamente sua filha e sempre ficou à disposição para o que fosse necessário. O juiz Lelio Tolentino se baseou em artigos do Código Civil, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e da Constituição Federal, além da conclusão do laudo técnico e das provas testemunhais para comprovar o dano moral. “O abandono afetivo se mostra patente, diante da inexistência da presença do pai na vida cotidiana de sua filha, não fazendo ele questão de manter contato, constituindo nova família e negligenciando sua paternidade, sendo certo que as desavenças existentes entre os pais não se prestam a justificar o abandono”, disse. A decisão é passível de recurso, por ser de primeira instância. Os nomes dos envolvidos e o número do processo foram suprimidos para preservar a intimidade de todos.  
05/08/2020 (00:00)

Endereço

SEDE

Avenida Itália  241  1º Andar
-  Gra Duquesa
 -  Governador Valadares / MG
-  CEP: 35057-380
+55 (33) 3340 0340
Visitas no site:  1978014
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.